sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Amor em partes


Amor parte 1


Foi pura sacanagem do poeta
Rimar assim dor com amor
Porque não podia rimar com alegria?
Pra preservar a estética, diz o autor
É tão difícil assim ser feliz?
É algo tão proibido por acaso?
Pra tentar mudar um pouco
Transformo meu mundo em louco
Só começando pelo papel
Com essa minha rima desconexa
Esse -contra- tempo irregular
Pra mudar o ponto de vista
Transformar o feio no amor
Pra reformular suas opiniões
Enfeiurar o que parecia tão belo


Amor parte dois


E quem se diz autor
Desse paradoxo louco amor
Morreu, se espatifou
Enlouqueceu, se cansou
De nadar na direção contrária
Um belo dia se afogou
E é isso que acontece com a maioria
Que tenta mudar o mundo, ser louco
É repreendido, enlouquecido
Por uma sociedade que ora existe
Ora desaparece, no seus direitos prevalece
Esta sempre consciente e exigente
E nos deveres apodrece
Uma sociedade composta por todos
E cheio de suas individualidades
Sociedade que ora carrega amor
Ora carrega dor, horror
Sociedade de ladrão amoroso
De pacificadores assassinos
Quem é bem esconde o mal
Quem é mal encobre o bem
Não há nada perfeito
Nem algo mísero, puro defeito
Há a individualidade
Cada um ganha um presente
E o que acontece é daqui pra frente
Cada um faz o que quer
As vezes o que não quer
As vezes por obrigação
As vezes sem noção
A todos é permitido amar
E há quem conceda perdão
Vivemos todos num mundo
Sem razão, enlouquecedor
E não faz mal querer um pouco de amor
Todo mundo quer amor
E de preferencia, sem dor

Tá enorme, mas eu adorei, é tudo o que sinto e garrou aqui.

2 comentários:

KahhH disse...

Tá enorme, mas eu adorei[2]
lindoo mah ^-^
mas ta enorme msm o-o
ahuahsuas
bjus

Julieta Garcia disse...

Que lindo! Grata pelo comentário em meu blog. Estou te seguindo :)