terça-feira, 27 de janeiro de 2009

E se tudo fosse diferente? - Capítulo 3

Acho que não tenho muito a comentar. Esse capítulo foi bastante triste pra mim. x.x
__________________________________________________________________

_Terminamos tudo, Carol. – disse meu pai com um sorriso no rosto – já ta tudo arrumado no carro, já compramos tudo, vamos voltar pra Fabriciano agora – ele falava se sentindo bem por ter terminado mais uma vez todo aquele trabalho exaustivo.
Eu estava exausta, e ainda eram umas quatro horas da tarde, acordada desde as três da madrugada, andando feito louca pelo centro da capital desde as sete da manhã. Meus pés doíam, parecia que ia despencar em cada próximo passo. O que mais me intrigava é que meu pai, mais velho do que eu, estava acordado há muito mais tempo do que eu, fazendo muito mais esforço do que eu, e não apresentava nenhum cansaço. Em momento algum ele deixou transparecer fraqueza.
Lá estávamos nós saindo da garagem da última loja do dia quando tudo aconteceu.
_Aqui é perigoso demais de sair. Tem que sair sem ver nada, tem que dar – suas palavras foram interrompidas naquele instante.
Eu não estava vendo naquele momento, estava olhando pela janela para uma coisa qualquer na rua, eu já estava bastante acostumada com ele sempre reclamando dos perigos. Muitas vezes já tinha me preocupado com eles, mas eu prefiro simplesmente ignorar e arriscar, “evita rugas”, como penso.
Com o baque ensurdecedor eu me virei assustada para direção do som tentando entender a fonte de algo tão... eu não fazia idéia de como descrever aquilo, simplesmente entrei em choque.
Senti uma pontada de dor no rosto e senti algo quente a escorrer por ele, era sangue. Eu não consegui nem ao menos levar a mão ao rosto para verificar o estrago, eu estava paralisada com a imagem a minha frente. Meu pai, aquele que me criava já há 14 anos, aquele que... ele era meu pai. Meu pai. Não acho que deva ser feita mais alguma descrição. Era meu pai.
Eu não conseguia acreditar que aquela pessoa ao meu lado, ensanguentada, esmagada por ferragens e pelo caminhão que estava a descer a rua e não vira o carro discretamente saindo da garagem. Ele já não parecia mais ter vida. Eu estava em choque a observar aquilo, não conseguia nem sequer gritar, chorar, berrar, clamar por meu pai. Eu estava paralisada a observar a cena de alguém que a menos de um minuto atrás estava conversando naturalmente.
Eu não sei detalhadamente o que aconteceu, só sei que alguém abriu a porta e falou algumas coisas comigo, eu não conseguia entender nada, a cena a minha frente ainda me intrigava. As mãos quentes daquela pessoa pegaram firmemente – mas também muito delicadamente – o meu rosto e virou-o para si. Ele disse mais algumas palavras e acabou por me erguer do acento me ajudando a sair do carro. Eu não havia entendido nada que ele tinha dito, nem do que ele havia feito, eu ainda queria encarar aquela cena.

8 comentários:

' Rôh disse...

Huuuuuuuuum... Quer dizer que a senhora ta escrevendo um história, q legal! rs
Ó, prometo d dps passo aqui p pegar do começo e com calma. XD
Mas to mtu feliz por vc ta produzindo.
Ah!!! Sobre Paulo Coelho, ql o livro?
Fico feliz por ter gostado dele. Lembra do tempo que postava lá no 'status' Veronika decide morrer? rs
Chero Chero...

Roh

The Scientist disse...

olá!
primeira vez que passo por aqui.
que cena foi essa que vc descreveu.
paralisante!!!
fiquei preocupado, pois um dia desses vi algo bastante parecido.
um caminhão deu uma ré... o lado do motorista ficou completamente destruído. não sei o que aconteceu.
ficção x realidade.
acompanharei a ficção.
muito bom!

paradoXos disse...

gostei deste o título!!

boa leitura, ja sei que gostas de Paulo Coelho


dele ainda só lo o "alquimista"

bjos

paradoXos disse...

errata:

"desde"
"li"

sorry

Anônimo disse...

Foi um lixo esse capítulo, o pior de todos. E tá muito grande também...

Anônimo disse...

(leve tudo ao contrário)

Bulma disse...

Ouch!!! o.o que bela descrição de uma cena tragica. É curioso como o choque gera na garota o desejo de continuar vendo a cena. É como se, apesar de forte e fria, fosse atraente e surreal demais para ser ignorada.

Gostei bastante. Agora, fico pensando como vai continuar a história e como a garota irá se comportar daqui para frente.

beijos

=*

.moony. disse...

O_o
eu sabia i.i
q triste i.i
gostei da descrição, tá bem chocante o_O
bju
teh +
o/*