quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Estou com raiva


Mas um poema, porque nessa tarde me deu vontade de escrever de forma diferente e de escrever sobre meus sentimentos, não sobre um assunto e não achei que combinasse nem um pouco escrever em prosa. Talvez você me critique falando que meus poemas nem sequer rimam, não são sonoros. Saiba que um dos objetivos dos meus poemas é não ser nada sonora, não criar rimas, apenas deixaram as palavras guiarem, sua mente que deverá dar-lhes a mágica.

Estou com raiva,
Mas, ao mesmo tempo, triste.
Talvez seja porque minha raiva é irracional,
Porque nem sequer a entendo.

Não sinto raiva das pessoas,
Mas, ao mesmo tempo, sinto.
Tenho raiva das circunstâncias,
Criadas pelo destino e por nós, humanos.

Será realmente a raiva esse sentimento?
Ou seria somente mais uma depressão?
O que seria raiva?
E mais uma questão; O que seria eu?

Raiva de mim mesma por me importar,
Por me importar pouco.
Por não conseguir alcançar,
Por querer alcançar.

Raiva por não saber me expressar,
Por não conseguir me entender,
Raiva por não ter mais você,
E ainda amá-lo.

E continuo com essa raiva,
Que não me faz gritar nem espernear.
Essa raiva...
Que somente me faz chorar.

2 comentários:

Rodrigo Hyoukami disse...

Isto não é raiva...
Isto não é depressão...
Mas ja definira então...
Apenas amava...
Amor...
Sempre caminhando na linha tenue da dor...
Não se deixar levar...
Com toda essa dor é de se orgulhar...
Pode chorar...
Até as roupas encharcar...
E nenhuma emoção então sobrar...
Com isso ira se recuperar...
Apos toda verdade de seu peito falar...
Lembre-se tambem que sozinha nunca estara...
Basta ao lado olhar...
Estarei lá...

Fique bem minha amiga.

.[P].a.[R].ente disse...

Pois que vc continue com essas inspirações súbitas (ou não) para eu ficar aqui me deliciando delas...
Espero que fique bem. E vc já deve saber que escrever faz um bem danado.

Cheiro...