quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Rebelação!

Rebeldia, já faz alguns meses que essa palavra vêm me chamando muitíssimo a atenção, acho que desde o começo desse ano (2008). Alguns diriam que é porque estou entrando na fase da adolescia, porque fiz 13 anos esse ano. Talvez sim, mas acho que foi nesse ano que abri meus olhos para a hierarquia, para questionar do que me dizem, para perguntar o porquê, tentar entender a essências das coisas.
Bom, vejamos, o que é essa nossa palavra-chave do dia, Rebeldia!
s. f.,
acto de rebelar;
qualidade do que é rebelde;
oposição;
insurreição;
pertinácia.

Rebeldia, para mim, é o ato de não se aceitar de bandeja o que dizem, ir um pouco além. Mas gravem bem, rebeldia é bem diferente de burrice. Pessoas pensam que é a mesma coisa “Quem é rebelde é burro, porque simplesmente não aceita?”. Um exemplo de rebeldia idiota é matar aula, o que você ganha com isso? Sinceramente, podem até me chamar de certinha, nerd, CDF, entre outros. Mas simplesmente não há razão em matar aula! O que você ganha com isso? Tem gente que fiz, “Ah... é divertido, não tem nada a ver”, tãããão divertido, na minha escola, por exemplo, quando matamos aula temos que ficar fugindo dos disciplinários e dos guardas, porque a escola é grande e muito bem vigiada, acho muito pouca vergonha na cara, fazem as coisas erradas e nem tem coragem de admitir, ficam escondendo. Acho horrível isso, nas vezes em que deixei de ir para as salas, para assistir o teatro, esperar meia hora antes do espetáculo começar, admitia na cara que não tinha ido a sala, e ficava a mostra, não me escondia. Além do mais, matar aula é só perda de dinheiro e o mais importante, conhecimento, desculpem-me a linguagem chula, mas que se foda o dinheiro, tem muito por aí, conhecimento é que ta faltando.
Se não fosse a rebeldia talvez até hoje estivessem sendo mortos milhares de pessoas injustamente. Quantas guerras já não aconteceram, sistemas que se baseavam na tortura que foram quebrados por rebeldes? E a Ditadura Militar no Brasil? E o apartheid? Isso são exemplos de grandes movimentos de rebeliões, mas também há pequenas rebeliões.
Quando exigimos nosso direito, quando discordamos de algo que nos dizem na escola, quando reclamamos nos padrões sociais que existem. São todos atos de rebeldia, pequenos, mas se formos olhar melhor, são grandes atos de rebeldia.
Eu, que sempre fui uma garota tímida, não tenho muita coragem de me aproximar de uma certa pessoa e falar-lhe sobre meus sentimentos, mas sempre tive uma característica bem estranha, para as outras coisas, ser alegre, gritar na rua, dançar, apresentar trabalhos, nunca tive nenhuma vergonha, poderia ser chamada de até “pra frente” quanto a coisas assim. Ontem foi um exemplo disso, me rebelei durante aula, e a professora poderia ter me mandado para fora de sala pelo que disse, ou até mesmo levar uma penitência pior, mas isso dependia de como a professora aceitaria a crítica, por sorte, era uma professora que não iria dar nenhum tipo de chilique, e que, por sorte gosta de mim.
Durante a aula, que era de ciências, estávamos discutindo sobre questões de educação entre outros, sobre como deveríamos mudar nossa postura e blá blá blá, esse tipo de conversa ocorre direto na minha sala, temos a fama de ser a segunda pior sala do colégio. Todos queriam dar a sua opinião no meio daquela discussão, no momento em que pedi a palavra a professora tinha dado o exemplo de que tal aluga estava se prejudicando e que ela não se incomodava com isso, mas antes ela tinha falado algo parecido com ajudar os outros. Achei um absurdo, como ela poderia falar de ajudar os outros de ela estava vendo a aluna sendo prejudicada e ficando calada?! Me indignei na hora e a expliquei meu raciocínio. Os meus colegas de classe que são meio acostumados com minha coragem de enfrentar professor (o que preciso moderar até) se surpreenderam, e começaram a falar, houve uma enorme baderna e acabou que nem conseguimos continuar o assunto direito.
Um pouco depois estávamos falando de respeito, a professora dizia que na sua época (época dos dinossauros, como dizem alguns) respeito era algo muito importante, que hoje não há mais respeito. Pedi a fala novamente. Falei que concordava e não concordava com o respeito, certas pessoas exigem respeito, mas também humilhação, que era preciso de vigiar com esse “respeito”, por respeito milhares se calaram em guerra e morreram. Desculpem-me de novo a linguagem, mas, que respeito de merda!
Rebeldia sempre deve existir em nós, para melhorias de nosso sistema, para mudanças, porque nada muda se ninguém reclama.


Graaaaaaande post @_@ Gostaria de agradecer aos acampanhadores do blog ;]

2 comentários:

Rodrigo Hyoukami disse...

Não se esqueça...
Opinar é bom..
Respeitar é de bom tom...
E ambos são melhor em aliança...
Pense...
Raciocine...
Pondere...
Mas não esqueça que respeito não é só o que queres...
Direito e dever...
Pode ser algo bem chato a se aprender...
Mas confio que va entender...
E que com presunção não ira se comprometer...
Mais uma vez não precisa agradecer...
Gosto de lhe ler...

Fique bem.

.[P].a.[R].ente disse...

Minha cara vc me surpreendeu de novo, se vc não fala, nem dizia que tem lá seus treze anos. Até me lembro de mim mesmo nessa idade, com meu ideais e perspectivas. É a melhor fase da vida. Não deixe, nunca, ninguém conter a principal "rebelação" da sua vida: a que ocorre dentro de vc mesma. Claro, sempre ponderando isso com educação, maturidade e respeito.
Tu vaii longe muiééé... rs